Luanda - O jornalista Ismael Mateus exortou, este sábado, em Luanda, os profissionais da comunicação social a apostarem no jornalismo de investigação, para exercerem convenientemente o papel de vigilantes do processo democrático no país.


Fonte: Angop

“É fundamental que os jornalistas possam ter iniciativa de ir atrás de assuntos, não ficarem dependentes das agendas das assessorias de imprensa”, observou Ismael Mateus, que falava sobre a “intervenção dos mídias no combate à corrupção”, na abertura da campanha de moralização da sociedade sob a égide do MPLA.

Ismael Mateus, também membro do Conselho da República, disse que o jornalismo investigativo é uma modalidade que permite ir mais a fundo da realidade do país.

“É preciso garantir as condições para que os jornalistas vão atrás de matérias que as instituições não querem que se saiba. É ai que se exerce o papel de vigilante do processo democrático”, vincou.

Segundo Ismael Mateus, é necessário que o jornalista assuma, claramente, na sociedade o papel de vigilante do processo democrático, mas para tal é preciso que ele seja responsável dos seus actos e não andar a acusar pessoas sem nenhum fundamento.

Considera inaceitável o facto de alguns jornalistas fazerem acusações levianas e não lhes acontecer, rigorosamente, nada.

E atribui 90 por cento da culpa ao partido no poder “porque não tem criado condições para a carteira profissional, para que os jornalistas sérios possam fazer o seu trabalho e aqueles que não são sejam excluídos da classe”.

A par disso, notou que é preciso garantir condições para que os jornalistas não se deixem manipular pelos grupos económicos. “Não se pode pedir que seja quarto poder se depois os grupos económicos dominam a realidade dos jornalistas”.

De igual modo, defende que não se use os jornais como arma de arremesso entre políticos.

Todavia, observou que não está de acordo com a criminalização dos jornalistas no âmbito do Código Penal.

“Não é mandando os jornalistas para a cadeia que a gente resolve o problema é, isso sim, responsabiliza-los com processos cíveis, obrigando-os a pagar multa e, se necessário, pedir desculpas, vincou.

Na mesma cerimónia, o professor universitário Laurindo Vieira falou sobre o papel da escola no combate à corrupção.

Para o académico, é fundamental que se tenha um sistema educativo que reforce a componente axiológica, que vele por uma educação assente na justiça como um dos mais importantes modelos de educação da moralidade.

Adiantou que a educação deve partir na construção de um homem e de uma mulher orgulhosos não do seu poder, mas do seu ser.

Noutra vertente, a secretária-geral do Conselho de Igrejas Cristãs em Angola (CICA), reverenda Dorcas Tecas, dissertou sobre o papel da família e das organizações da sociedade civil no combate à corrupção.

Considerou a corrupção como parte da injustiça social, sendo que o seu combate deve envolver toda a sociedade.

Notou que a corrupção destrói a coesão social. “Não é possível haver administração pública eficiente sem o envolvimento de pessoas de carácter nos procedimentos de acompanhamento da governação”.

Para si, tudo que é verdadeiro e honesto deve ocupar a mente das pessoas.

A campanha pública para a Moralização da Sociedade decorrerá em todo o país sob o lema “Combater a Corrupção, o Nepotismo, a Bajulação e a Impunidade é garantir o futuro melhor e bem-estar às Famílias angolanas”.

No lançamento da campanha, na Tenda do Talatona, em Luanda, contou a presença de políticos, individualidades da sociedade civil, da academia, dos órgãos de justiça, da igreja em Angola, representantes do corpo diplomático acreditado em Angola, deputados, entre outros.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: