Luanda - O vice-governador do Banco Nacional de Angola (BNA), Ricardo Viegas de Abreu, disse, em Luanda, que a actual revisão do “rating” angolano conferiu sinal de confiança à capacidade das autoridades angolanas na implementação de reformas e garantias à sustentabilidade da estabilidade macroeconómica implementada.

Fonte: Angop

“Temos agora outros desafios a nível do BNA, pelo que estamos a fazer o nosso papel, a procurar adequar a nossa regulamentação no sentido do stand internacional", afirmou Ricardo Abreu.


"A integração da economia angolana no contexto das nações abriga a uma convergência daquilo que são os nossos instrumentos legais e regulamentos, aqueles que são definidos por organizações mundiais”, referiu o responsável do BNA, na Conferência sobre Estratégia, Análise de Risco e Rating em Angola.


No seu discurso, Ricardo de Abreu sublinhou os ajustamentos realizados recentemente no BNA, no que diz respeito à consistência das políticas monetária e cambial, bem como no quadro regulamentar e de supervisão das instituições bancárias.


Sublinhou ainda ser o sector financeiro o que melhor tem estado a corresponder aos desafios e cumprido com as normas, normalmente aceites, de boa conformidade com as práticas.


“A nossa expectativa, depois de conseguir atingir o rating soberano, é a do sector privado tomar também a iniciativa de procurar e obter uma notação de risco e isso tem a ver com as expectativas que nós temos relativamente ao próprio desenvolvimento que a economia angolana vai tendo”, salientou.


Acrescentou que, doravante, será feito o percurso de consistência do quadro regulamentar, afirmando estar-se a concertar junto de outros órgãos do Executivo a coordenação de políticas, para que se garanta a estabilidade financeira da economia nacional, para que a promoção do crédito e do financiamento passem a ser fundamentais na economia nacional.


O evento realiza-se na Universidade Independente de Angola (UNIA), sob a égide da DEA (Desenvolvimento do Ensino em Angola) e a SAER (Sociedade de Avaliação Estratégica e Risco).



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: