Bruxelas - A Comissão Europeia manteve hoje a Transportadora Aérea Angolana (TAAG) na lista de companhias proibidas de voar no espaço aéreo da União Europeia, mas admitiu "progressos significativos" efectuados por Angola.

O executivo comunitário, que procedeu hoje à actualização da sua "lista negra" - a anterior actualização ocorrera em Novembro de 2008 -, alargou a proibição de voar para a UE a todos os transportadores certificados no Benim, a seis companhias do Cazaquistão, a uma companhia aérea certificada na Tailândia e a mais um transportador aéreo ucraniano.

Como já era esperado, a TAAG permanece na lista, mas a Comissão Europeia aponta o que classifica como "progressos significativos efectuados por Angola com as medidas tomadas para melhorar a segurança", alimentando assim as expectativas das autoridades angolanas de a TAAG poder voltar a voar para a Europa em breve.

O executivo comunitário "registou, designadamente, o relatório intercalar elaborado pelas autoridades aeronáuticas de Angola sobre a aplicação de medidas correctivas na sequência da visita de uma equipa de peritos europeus em Fevereiro de 2008 e da publicação, em Outubro de 2008, do relatório da auditoria de segurança da ICAO", indica uma nota hoje divulgada em Bruxelas.

A TAAG foi incluída em Julho de 2007 na "lista negra" das companhias aéreas proibidas de sobrevoarem o espaço aéreo europeu por problemas de segurança.

No passado fim-de-semana, uma equipa de peritos em segurança aérea da União Europeia realizou uma visita "formal" ao Instituto Nacional de Aviação Civil (INAVIC) angolano, para analisar a proibição da TAAG em voar para o espaço europeu.

A TAAG mantém a esperança de poder voltar a sobrevoar a Europa ainda este ano, segundo fontes da companhia aérea, que promete estar já a resolver todos os problemas de inconformidade que lhe são apontados, estando agora a aguardar a certificação pelo INAVIC, marcada para o dia 15 deste mês.

Em Março passado, a Transportadora Aérea Angolana anunciou que iria solicitar auditorias internacionais em Abril e Maio para avaliação do funcionamento da companhia, esperando poder voltar a voar para a Europa em Julho.

* ACC/HSO
Fonte: RTP/Lusa



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: