Luanda - O Presidente angolano admitiu que "falta de diálogo" entre a petrolífera estatal Sonangol e o Governo "contribuiu negativamente" para o processo de importação de combustíveis e consequente escassez do produto no mercado em todo o país.


Fonte: Lusa


Numa nota oficial, a Casa Civil do Presidente angolano refere que esta foi a conclusão que saiu da reunião que o chefe de Estado angolano, João Lourenço, manteve, de manhã, com a equipa económica do Governo, que decorreu à porta fechada e sem declarações à imprensa, apesar de os jornalistas terem sido convocados para o local.


"Da análise feita, concluiu-se ter havido falta de diálogo e comunicação entre a Sonangol e as diferentes instituições do Estado, o que terá contribuído negativamente no processo de importação de combustíveis. Foram, no entanto, tomadas as medidas e mobilizados todos os recursos necessários para a completa estabilização do mercado de abastecimento dos combustíveis nos próximos dias", lê-se na nota.


"Apela-se à compreensão dos utentes e da população em geral, não obstante reconhecermos os constrangimentos a que estão sujeitos com a situação criada", termina a curta nota sobre a reunião, que durou cerca de hora e meia.


No encontro com João Lourenço participaram os ministros angolanos de Estado para o Desenvolvimento Económico e Social, de Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente, da Energia e Águas, dos Recursos Minerais e Petróleos, e das Finanças, o Governador do Banco Nacional de Angola (BNA) e o presidente da Sonangol.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: