Luanda - Os administradores municipais consideraram que o Plano Integrado de Intervenção Municipal (PIIM), lançado nesta quinta-feira, em Luanda, pelo Presidente da República, João Lourenço, valoriza e incentiva as comunidades a se empenharem nas tarefas em prol do desenvolvimento local.

Fonte: Angop


Na mensagem dos administradores, lida no evento pela representante do município bieno de Camacupa, Alcida Camatele, os gestores elogiam a iniciativa presidencial, que acreditam vir a promover o desenvolvimento inclusivo das diferentes localidades do país.

Segundo Alcida Camatele, os administradores antes eram relegados para os mais baixos níveis de relacionamento institucional, e os programas e soluções para os municípios "vinham empacotadas" a partir do centro, sem auscultação das comunidades, o que explica o insucesso de vários programas.

A administradora de Camacupa declarou que o PIIM tem a vantagem de facilitar a interação entre as autoridades centrais e locais, bem como colher informações dos que conhecem e vivem a realidade e anseios das comunidades.

A opinião dos governadores provinciais

Por sua vez, o governador da província do Moxico, Gonçalves Muandumba (Na foto), acredita que o PIIM vai dinamizar o desenvolvimento municipal, com a desconcentração administrativa e maior participação das comunidades.

Na sua óptica, fica o compromisso de se planificar bem as acções, monitorizar e aplicar correctamente os recursos, com o envolvimento comunitário, garantindo soluções dos problemas lá onde ocorrem.

Para o governador de Benguela, Rui Falcão, o êxito estará assegurado se haver rigor no cumprimento da implementação e fiscalização dos programas.

Acrescentou que a prioridade deve ir para as vias de comunicação que ligam o sector rural, a fim de se garantir mais empregos, aumento da produção e, consequentemente, a melhoria das condições sociais dos cidadãos.

Já a governadora do Bengo, Mara Quiosa, afirmou que os municípios já têm identificadas como prioridades das prioridades intervenções nos sectores da educação, saúde, vias de comunicação, energia e águas, a serem implementadas com as verbas garantidas pelo fundo de financiamento do PIIM, avaliadas em dois mil milhões de dólares.

Em Malanje, segundo o governador Norberto dos Santos, a prioridade vai para o relançamento económico, a continuidade das construções das infra-estruturas integradas e asfaltagem da cidade, bem como a reabilitação de estradas, para facilitar o escoamento da produção agrícola e evitar o apodrecimento da colheita agrícola.

O responsável afirmou que, com a concretização da terraplanagem das vias de ligação entre os diferentes municípios de Malanje, a província pode voltar a ser um grande produtor de cereais, como o arroz.

Ao enaltecer as potencialidades agrícolas de Malanje, o governante disse terem sido já asfaltadas as estradas de acesso à zona Songo (municípios de Quirima, Cambundi Catembo e Luquembo). Acrescentou que na referida região estão preparados mais de 240 mil hectares de terra, para quem estiver interessado em investir na produção de arroz ou de outros produtos.

A localização de Malanje, enalteceu o governador, facilita o acesso à várias localidades do país.

O Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), avaliado em dois mil milhões de dólares, prevê acções nos sectores da saúde, educação, energia e águas, segurança, ordem pública, construção e obras públicas, infra-estruturas administrativas e estradas, bem como urbanismo e saneamento básico das 164 municipalidades municipais.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: