Lisboa - O médico angolano Filomeno Fortes é o novo director do Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT) português, que pela primeira vez será dirigido por um estrangeiro, divulgou fonte diplomática.

Fonte: Publico 

Filomeno Fortes é especialista em saúde pública e em malária

A informação foi avançada, em nota de imprensa, pela embaixada de Angola em Portugal, na sequência de uma audiência de Filomeno Fortes com o embaixador Carlos Alberto Fonseca. A missão diplomática destaca, na nota, a eleição “por unanimidade” do médico especialista em doenças tropicais para dirigir o IHMT, bem como o facto de se tratar do primeiro estrangeiro a assumir o cargo.


Professor da Universidade Agostinho Neto, em Angola, Filomeno Fortes é mestre em saúde pública, doutorado em ciências biomédicas e especialista em malária. Ao longo da sua carreira exerceu em Angola, entre outros cargos, o de director de Saúde de Luanda, director nacional de Controlo de Epidemias, chefe de Departamento de Controlo de Doenças e director do Programa de Controlo da Malária.


Actualmente, coordena o doutoramento em Ciências Biomédicas da Universidade Agostinho Neto, em Luanda. Faz também parte do conselho da Federação Internacional de Doenças Tropicais.

 

A eleição decorreu na quarta-feira, em Lisboa, e foi precedida de um concurso internacional, apresentação pública da proposta de programa para os próximos quatro anos e defesa perante os membros do conselho do IHMT.

 

Fundado em 1902, o Instituto de Higiene e Medicina Tropical dedica-se ao ensino e à investigação em saúde pública, medicina tropical, ciências biomédicas e epidemiologia, com especial incidência na ligação com os países de língua oficial portuguesa.


O instituto tem também um programa de mestrados, doutoramentos e pós-graduações com cerca de 500 alunos, mais de metade dos quais frequentam as aulas à distância e com recurso às tecnologias de informação e comunicação. A maior parte dos alunos são brasileiros, moçambicanos e angolanos, mas o IHMT tem actualmente estudantes de mais de 20 nacionalidades.

 

O organismo fornece ainda consultas de medicina tropical e das viagens, tendo, em 2017, feito 11.262 consultas do viajante, 369 consultas de medicina tropical e administrado 21.658 vacinas.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: