Luanda - Três meses depois da morte da jovem Maria Umba, de 27 anos, vítima de decapitação, ocorrida no município de Cacuaco, quando um cabo eléctrico de alta tensão lhe cortou a cabeça, na altura em que uma empresa chinesa, a Sinohydro, de electricidade, efectuava a manutenção na rede, os familiares ainda não foram indemnizados.

Fonte: JA
Familiares contactos pelo Jornal de Angola lamentam a situação e disseram que, apesar de o dinheiro não trazer de volta a vida de Maria Umba, ainda assim, em cumprimento à lei, depois do funeral, esperavam que a “empresa chinesa Sinohidros fosse indemnizar”, mas, até ao momento, nada”.

Joaquim Saco, um dos tios da malograda, explicou que, por orientação do advogado e do Serviço de Investigação Criminal, a família foi acautelada a não prestar mais declarações à impressa até que tudo fosse resolvido.

“Até ao momento, ainda não fomos indemnizados por parte da empresa Sinohidro, mas as negociações continuam”, disse.

Estável Rodrigues, também tio da malograda, envolvido na resolução do problema desde o início do acidente, disse que, por falta de entendimento entre as partes, o assunto passou a ser tratado com o advogado que a família constituiu.

Em relação aos dos dois filhos e ao viúvo que Maria Umba deixou, Estável Rodrigues informou que as crianças se encontram com a avó materna para um melhor acompanhamento e lembrou que o pai, com a ajuda de alguns familiares, conseguiu emprego e, na medida do possível, tem apoiado os descendentes.

Longe de ser um filme de terror, o fatídico acidente que vitimou Maria Umba ocorreu no dia 22 de Abril, no bairro Belo Monte, em Cacuaco, quando a jovem regressava do serviço em direcção a casa.

Logo que desceu do táxi, um cabo eléctrico que estava a ser içado por um funcionário da empresa chinesa Sinohidro desprendeu-se e arrancou-lhe a cabeça.

Dias depois, os responsáveis da empresa Sinohidro fizeram chegar aos familiares da malograda um milhão de kwanzas. A malograda foi sepultada no dia 25 de Abril, no cemitério da Funda, município de Cacuaco.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: