Ao Magnífico Reitor Da Universidade Agostinho Neto Luanda
Assunto: Substituição da Professora Anabela Leitão.

Os estudantes do 5º ano, da Faculdade de Engenharia, do Departamento de Engenharia Química inscritos na disciplina de Processos Químicos II, leccionada pela referida Professora. Vêm, por meio desta, manifestar o seu repúdio e indignação face ao comportamento da senhora Professora Anabela Leitão, e o consequente pedido de substituição do referido Departamento, pelas seguintes razões: nos últimos tempos a senhora Professora, imbuída de sentimentos insensíveis, foi tomando algumas medidas, tais como: eliminação da prova oral, revogação do direito à consulta durante as provas da referida disciplina, em contrapartida havia se comprometido em reduzir substancialmente o grau de dificuldade das provas, infelizmente, por falta de coerência de sua parte, neste quesito, as coisas mantêm-se intactas, o tempo de realização das provas contrasta com seu grau de dificuldade, elaboração de provas difíceis e pomposas cujo teor está absolutamente além do conteúdo ministrado durante as aulas, a existência de precedência entre as disciplinas de Processos Químicos I e II, numa altura em que, ao nível do ciclo de especialidade, todas as precedências foram revogadas, portanto, estas e outras medidas vem inviabilizando o bom desempenho dos estudantes nas disciplinas de Processos Químicos I e II, como consequência há um excessivo número de reprovações nas referidas disciplinas. Entretanto, quando lhe é questionada, a propósito das reprovações, a Senhora Professora defende-se alegando fazer tudo em prol da qualidade de ensino. Que tamanha incoerência e insensibilidade!, a qualidade de ensino no âmbito das Engenharias não se consubstância em elaborar provas difíceis e pomposas com o intuito de reprovar todos da turma, mas sim pela existência de laboratórios e oficinas bem equipadas e funcionáveis, bem como programas de estágios.

 

Por outro lado, é a todos os títulos questionável que um estudante consiga ter bom desempenho nas demais disciplinas, que compõem a grelha curricular do curso de Engenharia Química, mas quando chega na disciplina de Processos Químicos I e II, o ambicioso sonho de vir a tornar-se um Engenheiro, começa a sucumbir, a entrar em desesperos, frustrações e choques.

 

Nesta senda, importa-se realçar que há dezenas de jovens estudantes que não conseguem finalizar, há anos, a licenciatura no referido curso, por causa dos obstáculos impostos pela referida Senhora Professora, em consequência disso constata-se muitos jovens estudantes saturados, pelo facto de após terem se dedicado, ao nível da licenciatura, quase uma década nos estudos, não conseguiram alcançar o almejado sonho. No entanto, é profundamente inconcebível que numa turma constituída por dezenas de estudantes finalistas, sempre que são submetidos à prova nas referidas disciplinas não haja aprovações, e na eventualidade de haver não passa de uma única.

 

Pelas razões acima invocadas, e não só, os estudantes, por acreditarem em Instituições fortes, pois os homens e mulheres são falíveis, efémeros e mortais, vêm mui respeitosamente solicitar ao Excelentíssimo Magnífico Reitor que se digne a intervir a fim de pôr cobro às agendas inconfessas que visam fragilizar as ambições e os sonhos dos jovens estudantes, de realçar que após ter se remetido uma carta à direção da Faculdade de Engenharia, denunciando as irregularidades praticadas pela Senhora Professora, os estudantes não foram tidos e nem achados, consequentemente, a mesma não teve êxitos, porque a direção local sempre foi conivente com as atuações da Professora, que por sinal é membro do corpo directivo. Portanto, os estudantes pensam que, até que as suas legitimas reivindicações não sejam levadas em consideração por parte da direção central da Universidade Agostinho Neto, levarão a cabo, em unanimidade, as seguintes medidas de protesto: Paralisação geral das aulas, durante o 2º semestre no DEI de Engenharia Química, farão recurso ao artigo 47º da Lei Magna, realizando, em concertação com os movimentos estudantis, uma série de manifestações diante da Faculdade de Engenharia, da Reitoria da UAN, do Ministério de Tutela, bem como uma extensa campanha de mediatização das suas causas, junto de todos os órgãos de comunicação o social e plataformas digitais, recorrerão à Assembleia Nacional, em última instância apelarão à intervenção de Sua Excelência o Senhor Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço.

 

``Não nos encarem como jovens radicais, nem subversivos, pois não fomos talhados para sermos eternos estudantes da Faculdade de Engenharia da UAN, portanto, na nossa qualidade de jovens com energia e imaginação fertil, também queremos trabalhar como Engenheiros, contribuindo para a restituição do nosso sector Indústrial e não só, tudo em prol do desenvolvimento do nosso país, Angola.´´


Sem outro assunto de momento, os estudantes, em uníssono, com todas as letras e números, subscrevem-se com máxima estima e consideração. Esperam o deferimento

Luanda, aos 18 de Julho de 2019



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: