Luanda - O (GCII) Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa do Ministério dos Transportes, por intermédio deste Comunicado, desmente categoricamente a notícia posta a circular pelo Novo Jornal, na sua Edição nº 601, de 6 de Setembro de 2019, com o título “Governo negoceia venda da TAAG com a Qatar Airways”.

Fonte: MINTRAS

Na peça, o Novo Jornal escreve que “o Governo, por via do Ministro dos Transportes Ricardo D’Abreu, e quadros seniores do sector dos transportes têm estado a negociar com os accionistas da companhia aérea do Qatar”.


Esta afirmação é falsa. É do conhecimento público que a TAAG integra o grupo de empresas nacionais inseridas no Programa de Privatizações, cujos trâmites e condições receberam o visto do Conselho de Ministros de Angola e a chancela do Presidente da República. O programa de reestruturação e modernização da TAAG em curso, é condição necessária para o êxito do processo de privatização da companhia de bandeira nacional, constituindo-se neste momento numa das principais prioridades do Ministério dos Transportes e do Conselho de Administração da TAAG, SA.


O GCII do MINTRANS faz saber que o Ministro dos Transportes, Dr. Ricardo Viegas D’Abreu, integra a comitiva presidencial que, no Qatar irá assinar acordos bilaterais, entre os quais se inscreve o Acordo sobre a Marinha Mercante, Portos e Actividades Conexas.


No dia 3 de Fevereiro do corrente, foi assinado, em Doha, Acordo Bilateral de Serviços Aéreos entre os dois estados, para a exploração da rota Luanda-Doha e vice versa, aguardando-se o anúncio pela Qatar Airways, do voo inaugural para exploração da ligação das duas capitais, em code share com a TAAG, Angola Airlines.


Os créditos e virtudes da Qatar Airways, são conhecidos mundialmente e em particular no seio da industria da aviação civil, pelo que se constitui num parceiro importante para a TAAG, nos domínios da formação e capacitação técnica de excelência, buscando assimilar as melhores practicas da indústria, para que a visão e estratégia gizadas para a companhia nacional de bandeira, atinjam os seus objectivos, no apoio ao crescimento e desenvolvimento económico do nosso País.


Por ser estéril, e tal informação faltar com a verdade, em toda a linha, o Ministério dos Transportes exige que o Novo Jornal, nos termos da Lei de Imprensa, e em obediência ao direito de resposta, se retrate, apresentando um pedido formal de desculpa e divulgue este Comunicado de Imprensa, com o mesmo destaque conferido ao que, aqui e agora, se desmente.

Luanda, 6 de Setembro de 2019.
O GCII do MINTRANS

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: