Luanda - O arcebispo emérito de Benguela, em Angola, Eugenio Dal Corso, hoje investido cardeal pelo Papa Francisco, considera que o país está a melhorar, embora ainda exista muita pobreza, e destacou o combate à corrupção por parte do atual Governo.

Fonte: Lusa

"[O país] está a melhorar. A gente está muito contente com o novo Presidente da República", João Lourenço, declarou à agência Lusa Eugenio Dal Corso, de 80 anos, reconhecendo que há, porém, "muito trabalho" a fazer.

 

Segundo o cardeal, que continua o trabalho missionário apesar da idade, agora no lugar Cuando-Cubango, Diocese de Menongue, "uma das províncias mais pobres e humildes", localizada no sul de Angola, ainda há "muita pobreza e muita dificuldade, mas [o país] está a caminhar num caminho bom".



Referindo estar há 33 anos em Angola, o cardeal afirmou que o país "é muito lindo" e "potencialmente muito rico, mas, lamentavelmente, a população é ainda muito pobre".

 

"Mas está a melhorar um pouco", insistiu, desafiando: "E que Portugal nos ajude também a melhorar Angola".

 

Eugenio Dal Corso admitiu que "o problema do país era a corrupção e agora o Presidente (...), a finalidade do seu Governo, é combater a corrupção e está a fazer isto", acrescentando: "Claro que tem muito a fazer".

 

O Papa Francisco investiu hoje, na Basílica de São Pedro, 13 novos cardeais, incluindo o português Tolentino Mendonça, arquivista e bibliotecário do Vaticano, Matteo Zuppi, arcebispo de Bolonha, Itália, da Comunidade de Sant'Egídio, um dos quatro mediadores do acordo de paz de 1992 em Moçambique, e Jean-Claude Höllerich, arcebispo do Luxemburgo, onde residem 95 mil portugueses, que são 15% da população do país.



Foram também criados cardeais o espanhol Miguel Ángel Ayuso Guixott, presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, Ignatius Suharyo Hardjoatmodjo, arcebispo de Jacarta (Indonésia), e o cubano Juan de la Caridad García Rodríguez.

 

Fridolin Ambongo Besungu, arcebispo de Kinshasa (República Democrática do Congo), Álvaro Leonel Ramazzini Imeri, arcebispo de Huehuetenamgo (Guatemala), o marroquino Cristóbal López Romero (arcebispo de Rabat) e o checo Michael Czerny, subsecretário da Secção de Migrantes -- Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, integram também a lista.

 

Como cardeais não eleitores, por terem ultrapassado os 80 anos, Francisco escolheu, além de Eugenio Dal Corso, arcebispo emérito de Benguela, Michael Louis Fitzgerald, arcebispo emérito de Nepte (Inglaterra), e Sigitas Tamkevicius, arcebispo emérito de Kaunas (Lituânia).

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: