Luanda - O corpo de Bispos e Pastores da Igreja Universal do Reino de Deus em Angola vem por este meio comunicar a todos os seus membros e a toda sociedade angolana o seguinte:

Fonte: Club-k.net

1. A Igreja Universal do Reino de Deus é uma instituição religiosa de direito Angolano registada no Ministério da Justiça sob o número 26, reconhecida pelo Decreto Executivo n.° 31 B/92 de 17 de julho, I Série n.° 28 do Diário da República. Portanto, regida por estatutos próprios, pelas leis e pela Constituição da República de Angola.


2. A sua missão, conforme os estatutos, é a pregação do evangelho do nosso Senhor Jesus Cristo, prestar assistência espiritual e social à todas as famílias angolanas e não só.


3. Para cumprir o referido objectivo tem, ao longo de 27 anos, recorrido a IURD - Brasil para o envio de missionários brasileiros, o que criou um vínculo espiritual com a IURD - Brasil e esta tem exercido a liderança e domínio absoluto da IURD - Angola.


4. Tal domínio, referido no ponto anterior, é visível em todos os quadrantes da Igreja, desde os púlpitos à área administrativa, que tem se traduzido em actos discriminatórios, onde na maior parte das vezes o principal critério para se atribuir certas responsabilidades eclesiásticas e/ou administrativas é a nacionalidade brasileira.


5. Já há alguns anos, a liderança brasileira tem manifestado atitudes, comportamentos e práticas que os Bispos, Pastores, Obreiros e membros angolanos não se revêem e nem concordam, tais como, a evasão de divisas para exterior.


6. Nos últimos doze meses, a anterior e actual liderança brasileira por orientação do Bispo Edir Macedo tem forçado os Pastores solteiros e casados a submeterem-se a um procedimento cirúrgico de “esterilização”, tecnicamente conhecido como vasectomia que, são claras violações graves dos direitos humanos, da lei e da Constituição da República de Angola, práticas estas que são estranhas aos costumes da nossa realidade africana e angolana.

 
7. A mesma liderança brasileira, sob orientação do Bispo Macedo, decidiu vender mais da metade do património da Igreja Universal do Reino de Deus em Angola, sem prévia consulta aos Bispos, Pastores, Obreiros e membros angolanos.


8. O referido património inclui residências e, terrenos que foram adquiridos e/ou construídos com os dízimos, ofertas e doações dos Bispos, Pastores, Obreiros e membros de Angola.


9. Tal decisão do Bispo Macedo, em vender o património acima referido, foi transmitida em reunião secreta em Luanda, presidida pelo Bispo Honorilton Gonçalves, onde apenas alguns poucos pastores e bispos brasileiros participaram e nenhum Bispo/Pastor angolano teve acesso a tal reunião, nem sequer o representante legal da Igreja.


10. Tal atitude da liderança brasileira é uma clara demonstração de:

a) Que os objectivos deixaram de ser aqueles pelos quais a IURD - Angola os convidou, ou seja, a pregação do evangelho do nosso Senhor Jesus Cristo;


b) Traição à confiança que os membros, Obreiros, Pastores e Bispos angolanos depositaram a referida liderança.


11. Diante de tais actos e pela gravidade dos mesmos, em respeito aos princípios da fé cristã, o corpo de Bispos e Pastores da Igreja Universal do Reino de Deus em Angola decidiu, em fórum próprio, pôr fim a qualquer vínculo com a liderança brasileira e com a IURD – Brasil, pelo que, a mesma liderança deverá deixar o território nacional dentro dos prazos estabelecidos pelas autoridades migratórias.


12. Em salvaguarda aos mais nobres ideais da nação, a partir desta data a Igreja Universal do Reino de Deus em Angola passa a ser liderada exclusivamente por Angolanos.


13. Finalmente, pede calma aos Obreiros e membros da IURD - Angola.


Deus abençoe a todos, Deus abençoe Angola.

Luanda, 28 de Novembro de 2019.


Subscrevem 330 (trezentos e trinta)

Bispos e Pastores angolanos



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: