Bogotá - Angola, Brasil, Guiné-Bissau e Guiné Equatorial pioraram no ano passado as suas classificações no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) das Nações Unidas, publicado hoje na Colômbia, enquanto Cabo Verde e São Tomé e Príncipe tiveram prestações positivas.

Fonte: Lusa

O Índice de Desenvolvimento Humano, que integra o Relatório de Desenvolvimento Humano de 2019, analisou os progressos de 189 países em matéria de desenvolvimento humano, centrando-se este ano nas desigualdades.

 

Segundo os dados, Portugal, o único lusófono no grupo de países de desenvolvimento muito alto, manteve-se na posição 40, enquanto o Brasil, considerado de desenvolvimento alto, caiu um lugar, de 78 para 79.

 

Angola, que integra com Cabo Verde, Timor-Leste, São Tomé e Príncipe e Guiné Equatorial o conjunto de países de desenvolvimento humano médio, foi o lusófono que mais caiu na avaliação, passando da posição 147 para a 149.

 

Também a Guiné Equatorial desceu da posição 143 para a 144.

 

Cabo Verde subiu do lugar 128 para o 126, São Tomé e Príncipe passou do 138 para 137 e Timor-Leste manteve-se no lugar 131.

 

Guiné-Bissau e Moçambique mantiveram-se nos últimos lugares da lista dos países com baixo desenvolvimento humano com a Guiné-Bissau a descer da posição 177 para a 178 e Moçambique a permanecer na posição 180, sendo o 9º pior país do índice.

 

Globalmente, o Níger ocupa última posição do índice, seguido pela República Centro-Africana, Chade e Sudão do Sul, enquanto a Noruega lidera a lista, seguida da Suíça, Irlanda e Alemanha, países que mantiveram inalteradas as suas posições relativamente ao índice anterior.

 

O relatório adianta que, apesar do progresso sem precedentes contra pobreza, fome e doenças, muitos países continuam com graves problemas provocados pelas desigualdades e destaca uma nova geração de desigualdades, em torno da educação, tecnologia e mudanças climáticas.

 

O estudo estima que, em 2018, cerca de 20% do progresso do desenvolvimento humano foi perdido devido às desigualdades.

 

Apontando como exemplo a igualdade de género, o relatório refere que, a manterem-se as tendências atuais, serão necessários mais de 200 anos para eliminar a diferença de oportunidades económicas entre homens e mulheres.

 

Pela primeira vez, o relatório inclui um Índice de Normas Sociais, que revela que em metade dos países avaliados, o preconceito de género cresceu nos últimos anos.

 

Cerca de 50% das pessoas em 77 países pensam que os homens são melhores líderes políticos do que as mulheres e mais de 40% considera que os homens são melhores na área dos negócios.

 

Num outro exemplo, o estudo compara as perspetivas futuras de crianças nascidas no ano 2000 em países de desenvolvimento muito alto e de desenvolvimento baixo, adiantando como muito provável que 55% dos jovens nascidos no primeiro grupo frequentem o ensino superior contra 3% no segundo grupo.

 

Por outro lado, 17% das crianças nascidas em 2000 em países de baixo desenvolvimento terão morrido antes dos 20 anos, contra apenas 1% dos nascidos em países de muito alto desenvolvimento, e os que sobreviverem terão menos 13 anos de esperança média de vida.

 

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) combina rendimento dos países, expectativa de vida e educação.

 

A Noruega, que lidera o índice, teve em 2018 uma pontuação de 0,954, enquanto o Níger, que ocupa a última posição, teve apenas 0,377 pontos.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: