Luanda - Lançando mão aos preceitos da Lei n.º 1/17 de 23 de Janeiro (Lei de Imprensa), mais concretamente, dos seus artigos 73.º e 73.º, considerando as informações postas a circular na pretérita semana respeitante a um eventual acto de especulação por parte da nossa empresa, vimos por este intermedio esclarecer o seguinte:

Fonte: Angomart


I. A ANGOMART está no mercado angolano há muitos anos, e num período em que o país está a ser assolado pelo COVID 19 e, em consequência, a procura de bens de primeira necessidade alimentar e de profilaxia contra o Coronavírus atingiram o pico da procura, jamais cometeríamos uma incongruência sem precedente, visto que, na qualidade de parceira social do Estado angolano, sempre pautamos a nossa conduta na estrita observância das regras das boas práticas comerciais, agindo com lisura, probidade e cumprimento rigoroso das leis vigentes no país.

 

II. Nessa conformidade, vimos informar que em momento algum se verificou a pratica de qualquer acto de especulação conforme foi veiculado por vários órgãos de comunicação social, entrementes, os nossos produtos estavam e continuam a ser comercializados dentro da margem de lucro determinado pelo Decreto Presidencial n.º 206/11 de 29 de Julho.

 

III. Outrossim, a ANGOMART prima em comercializar os seus produtos num valor inferior aos demais operadores comerciais e de modo algum extrapolamos a margem de lucro legalmente estabelecida, mas apenas implementamos o preço real.

 

IV. Por outro lado, as prateleiras vazias resultou do facto de termos vendido quantidades significativas, 9.100 sacos de arroz no dia do feriado nacional, isto é, no dia 23 de Março de 2020. Infelizmente, alguns consumidores levaram quantidades significativas e, nessa conformidade, houve a necessidade de se impor limites, de forma a que outros consumidores podessem ter acesso ao mesmo produto, mas nunca houve de nossa parte qualquer intenção de prejudicar os consumidores ou de defraudar a lei, visto que os consumidores são o nosso maior activo. È nossa intenção satisfazer os consumidores na ìntegra e de forma equitativa.

 

V. Importa realçar que, a ANGOMART continua a praticar os Preços mais acessíveis do mercado. O exemplo do que afirmamos resulta do facto de estarmos a comercializar o óleo vegetal (1 Litro) a um valor mais baixo que outros operadores, havendo um diferencial de Akz. 1.000.00 a Akz.1.500.00.

 

VI. Ps: Face ao momento que estamos a viver, a ANGOMART, na qualidade de parceiro social do Estado angolano, gizou um plano de emergência de modo a que nas nossas superfíces comerciais não haja escassez de bens de primeira necessidade de forma a satisfazer as necessidades das populações com preços acessíveis.

 

VII. Considerando que tal atitude lesou a nossa honra, dignidade e o nosso bom nome, informamos aos consumidores em geral, que a nossa instituição comercial em momento algum violou a lei, por isso, não houve qualquer irregularidade, muito menos se verificou a pratica de qualquer acto de especulação subsumível ao ilícito penal correspondente, logo, não prejudicamos os consumidores, mas sim, houve uma interpretação errada e, em consequência, aqui afirmamos que dispomos de elementos probatórios bastante para que, em sede própria possamos fazer prova da nossa posição.

VIII. Nesse contexto, reservamo-nos ao direito de defender dignidade, e a honra corporativa. Junto das instituições competentes para efeito.

 

IX. Convictos de que, desta forma, ficam esclarecidos todos os mal-entendidos, colocamo-nos a disposição para quaisquer esclarecimentos adicionais que se reputarem necessários, servindo sempre os nossos consumidores com honestidade, seriedade, comprometimento e lealdade.

 

GABINETE DE COMUNICAÇÃO E IMPRENSA DO NOBLE GROUP SA, em Luanda, 25 de Março de 2020.-

O Conselho de Administração

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: