Luanda - Angola regista mais um caso positivo de infeção pelo novo coronavírus, somando oito no total, anunciou hoje o secretário de Estado da Saúde angolano, Franco Mufinda.

Fonte: Lusa

"Trata-se de um cidadão sul-africano que chegou ao país no dia 18", proveniente de Pretória, e foi internado dias depois, encontrando-se com sintomatologia leve numa das unidades sanitárias da capital, adiantou.

 

O governante acrescentou que já foi desencadeada "a vigilância epidemiológica para detetar os contactos e os contactos dos contactos" do cidadão que reside em Luanda.

 

O país regista um total de oito casos, com dois óbitos e um paciente recuperado, enquanto os outros cinco internados continuam estáveis com sintomatologia leve.

 

Franco Mufinda afirmou que Angola tem atualmente capacidade para cerca de 25 mil testes e vai começar a descentralizar as análises.

 

Até 15 de abril, pretende-se passar a realizar testes nas províncias, e no final do mês , depois da validação do teste rápido, poder-se-á usar esse método em todo país.

 

Cerca de 90 viajantes, praticamente todos que estavam no centro de quarentena Calumbo II começaram a regressar a suas casas, depois de as amostras se terem revelado negativas.

 

O secretário de Estado disse ainda que foram processadas mais 40 amostras, das quais 39 foram negativas.

 

Ainda esta semana, entre sábado e domingo, os centros de quarentena institucional deverão ser esvaziados, "pois estão a chegar ao fim os 14 dias de quarentena e já se fez toda a colheita de amostras", estando algumas a ser processadas, indicou o mesmo responsável.

 

Os centros de quarentena passarão então a poder receber os "casos leves", ficando os hospitais, nomeadamente o da Barra do Kwanza e a Clínica do Prenda, dedicados ao acompanhamento de casos críticos.

 

Estão em quarentena em todo o país pouco mais de 1.700 pessoas, das quais 919 em Luanda, e destas 441 cumprem quarentena institucional.

 

O Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) registou 419 chamadas, das 174 relativas a denúncias de violações de quarentena domiciliar e 208 pedidos de informação.

 

Foram descartados 30 alertas e investigados sete, dos quais três foram validados e "estão a ser seguidos" numa unidade sanitária, concluiu Franco Mufinda.

 

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 870 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram cerca de 44 mil.

 

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

 

O continente europeu, com mais de 470 mil infetados e cerca de 32.000 mortos, é aquele onde se regista o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 13.155 óbitos em 110.574 casos confirmados até terça-feira.

 

O número de mortes em África subiu para 196, num universo de mais de 5.700 casos confirmados em 49 países, de acordo com as estatísticas sobre a doença no continente.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: