Luanda - Assistimos terrivelmente as consequências daqueles que negaram os avisos de uma pandemia. Não podemos arcar com mais consequências da negação do isolamento social. Todos nós, especialmente os jovens, temos que exigir melhor do nosso governo e dos nossos concidadãos em todos os níveis e abraçar esta causa.

Fonte: vanguarda

Agora, muitos angolanos estão a preparar-se para ajudar as suas comunidades.


Durante esta crise, os nossos profissionais de saúde, comunicação, artes, agentes da ordem e manutenção, trabalhadores de mercearias, motoristas de entrega, trabalhadores de transportes públicos e de serviços públicos - junto com tantos outros - se levantam incansavelmente todos os dias para garantir que temos as coisas de que precisamos. E por isso, eles têm sido a nossa cura diária.

Eles são os profissionais da linha de frente do coronavírus, que atendem às necessidades básicas e arriscam a sua saúde à medida que as coisas vão piorando.

No dia 1 de dezembro de 2019, um paciente em Wuhan, China, começou a mostrar sintomas do que os médicos determinaram ser um novo coronavírus. Desde então, o vírus se espalhou para infectar mais de 100.000 pessoas, tornando-se numa pandemia.

Grande parte dos locais de trabalho no mundo fecharam, enviando milhões de funcionários para casa para aguardar o fim da pandemia de coronavírus.

E com tudo isso "quem poderia imaginar que esses profissionais estariam na linha da frente?". E este artigo fornece um óptimo exemplo do tipo de espírito comunitário que precisamos superar - um espírito que esperamos aprender a incutir mais em nossas vidas, locais de trabalho, instituições cívicas e governo depois que a crise passar.

À medida que o número de casos confirmados de covid-19 aumenta em todo o mundo, as pessoas lutam para manter-se mentalmente, fisicamente seguras e estáveis. Alguns indivíduos e comunidades estão a passar por momentos mais difíceis do que outros, especialmente os marginalizados. Em Angola, com cerca de 8 casos confirmados de coronavírus até o momento, torna essa luta mais difícil e aumenta os encargos que os nossos heróis médicos já enfrentam em Luanda. Temos de manter as políticas de distanciamento social pelo menos até que tenhamos testes abrangentes. Não apenas por nossa causa - pela deles.

Os nossos profissionais médicos são heróis que colocam as suas vidas em risco para manter o país em marcha.

É um desafio. Ninguém tem nenhuma experiência com isso, porque não existe nada assim desde 1918. Mas isso não mostra como era ou descreve a experiência de pessoas que tiveram essa mesma responsabilidade.

Muitos profissionais de saúde já morreram com o vírus - e é difícil não pensar neles enquanto vestem e retiram o seu equipamento de proteção pessoal e imaginam todas as coisas que podem dar errado, as maneiras pelas quais eles inadvertidamente podem tocar uma máscara ou uma luva e ficarem expostos.

O maior medo é perceber que, tal como nós, eles provavelmente obterão o coronavírus, não importa o que façam.

Às vezes, é preciso a sabedoria e a resiliência daqueles que foram marginalizados para que todos lembremos da importância da comunidade e da ajuda-mútua.

Um apelo para todos os comunicadores angolanos. A Organização Mundial de Saúde e o Governo de Angola precisam de nós. Nós temos o poder de mudar o mundo e impedir a propagação do coronavírus (COVID-19).

Estamos a viver tempos sem precedentes. Não é tarde demais. Ninguém pode fazer tudo, mas todos podem fazer alguma coisa. Juntos, podemos salvar vidas, proteger recursos e cuidar um do outro.
Tempos sem precedentes exigem comunicação sem precedentes.

O trabalho dos comunicadores na situação actual é fornecer comunicação directa e transparente para todos. ‘‘Vamos bater palmas à comunicação mas melhorar na organização’’. Disse-me o conselheiro Hélio Santos - 3XU.

Em tempos como esses, com a ameaça real do COVID-19, os líderes estão sob intensa pressão para acertar as suas acções. Vidas estão em risco.

Por fim, a nossa comunicação deve ser com verdade e responsabilidade, pois só assim, criará a reputação de não apenas líderes individuais, mas de marcas e até de países.

Entre reflexões, crónicas e ensaios esta é a minha visão.

EDGAR LEANDRO

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: