Lisboa – Um influente advogado na província do Huambo, Crescenciano Sapi Ângelo,  está a ser dado - em meios da sociedade civil -  como estando num quadro de incompatibilidades por exercer advocacia e ao mesmo tempo desempenhar tarefas no aparelho do executivo provincial  liderado por Joana Lina Ramos Bastista Candido.

Fonte: Club-k.net

Exerce advocacia e ao mesmo tempo membro do governo  

Detentor da cédula de advogado 745, Crescenciano Sapi Ângelo é o vice-presidente do Conselho Provincial da Ordem dos Advogados de Angola e ao mesmo tempo quadro suspenso da faculdade de direito da Universidade José Eduardo dos Santos (UJES). Em Outubro de 2018 foi nomeado pela governadora Joana Lina Ramos Bastista Candido para ocupar o cargo de Director do Gabinete Jurídico do Governo Provincial do Huambo.

 

Segundo a linha b) do artigo 6º do código de ética e deontologia profissional da Ordem dos Advogados de Angola, o exercício de advocacia é incompatível com as funções e atividade de membro do governo.

 

No passado dia 22 de Março deu inicio o julgamento de dois ex-directores da escola do II ciclo do ensino secundário “Comandante Vilinga”, na cidade do Huambo, que respondem, em Tribunal, por suposta prática de crime de peculato.  Crescenciano Sapi Ângelo compareceu na sessão de julgamento  como advogado do co-réu Júlio Tchimbilundo de Paiva que fora diretor da escola entre o período de 2014 e 2017 e que está a ser acusado de ter desviado, de forma continuada, um total de 26 milhões, 658 mil e 619, Kwanzas, de várias dotações orçamentais das despesas de funcionamento.

 

Em sede de questões prévias e de contestação do julgamento, o advogado e membro do governo Crescenciano Sapi, considerou nulo o processo notando que o mesmo “tem várias irregularidades, pelo facto de a acusação se ter baseado simplesmente num processo inspectivo, desenvolvido pela Delegação das Finanças, que, por sua vez, já foi objecto de apreciação pelo Tribunal de Contas, que validou o relatório”.

 

Segundo analistas locais, que alertaram sobre o assunto ao Club-K, neste dia, o membro do governo Crescenciano Sapi  foi visto  a fazer defesa de um réu que está a ser acusado de ter descaminhado fundos do governo. Fontes locais sugerem a Crescenciano Sapi para desligar-se de uma das suas actuais  ocupações de forma a evitar incompatibilidades reprovadas pelo   código de ética e deontologia profissional da Ordem dos Advogados de Angola. 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: