Luanda - O governo angolano não tem outra solução senão dar preferêcia a renegociar com a China o pagamento da sua dívida em deerimento de uma proposta do Fundo Monetário Internacional, disseram economistas angolanos.

*Manuel José
Fonte: VOA

Eles comentavma uma notícia publicada no semanário português Expresso segundo o qual Angola prepara-se para privilegiar uma moratória de três anos para retomar o pagamento da dívida à China, congelando, para já, a sua adesão à iniciativa idêntica que está em cima da mesa do G20 (o grupo das maiores economias mundiais), e que prevê perdoar o pagamento de juros de divida.

 

O consultor economico Galvão Branco entende que Angola não tem outra escolha nesta altura se não negociar com a China o apartamento do prazo para pagar a divida tanto dos bancos como de estado a estado.

 

Branco disse que o actual orçamento Geral do Estado não comporta despesas associadas com o pagametno dessa dívida de estado para estado pelo que “há toda necessidadede condições de serem renegociada, para prazos e condiçõesajustadas à nossa situação fiscal actual e mesmo a divida de bancos chineses também deve ser revista"

 

O presidente da Associação Indutrial de AngolaJosé Severino pensa que a divida com a China deve ser renegociada e certificada mas chama a atenção para se acautelar efeitos secundários que podem ser danosos à economia de Angola.


...
José Severino "Esta questão da divida da China em Africa deve ser vista de forma objectiva para não mais sermos avassalados, como outros países o foram no passasado tanto pelos EUA, como para a Rússia”.

 

“Eu vejo com bastante preocupação, a forma como operadores chineses actuam incluindo em Angola é preciso muita cautela", disse

 

O professor universitário e deputado pela bancada da UNITA Raul Danda entende que tanto a opção de Angola em virar-se para o FMI ou para China são cada um à sua maneira perigosas no que toca ao reembolso da divida nacional.

 

Para o também primeiro ministro do governo sombra da UNITA o Fundo Monetário nunca levou soluções aceitáveis aos países, mas se a China “é mais afável ...é necessário muita atenção na negociação”.

 

Para Raúl Danda tanto num como noutro caso o goenro tem mudar o modo de actuar reduzindo drásticamente” gastos sup’erfulos” como por exemplo a compra de carros de luxo a comandantas das forças de segurança.

“Se não mudar essa forma de actuaçao não adianta, a divida vai se avolumando e não vamos conseguir sair disso", acrescentou Danda



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: