Luanda - Os membros do Conselho da Administração do Grupo Sonangol acabam de chamar a si a responsabilidade pelas diferentes áreas de negócio e serviços da companhia, no quadro de uma decisão tomada em Maio que, na prática, institui domínios ou pelouros para cada um dos sete administradores executivos da petrolífera.


Fonte: SA

Lemos fica com as Finanças e Baptista com as áreas de Tecnologias

Nos termos dessa decisão, o Presidente do Conselho de Administração da Sonangol EP, Manuel Vicente, passa a responder pela Direcção dos Serviços Jurídicos (DSJ), tal como pelas subsidiárias de Distribuição e Logística.


Fernando Roberto, um outro administrador, tem sob sua responsabilidade as direcções Recursos Humanos, Engenharia, Serviços Sociais e Segurança Empresarial, como também assume a liderança do Projecto Sinco (sistemas de informação), a ESSA e a Clínica Girassol, um empreendimento médico da companhia.


A administradora Anabela Fonseca assume a responsabilidade sobre a Direcção de Operações de Comercialização (DOC), de apêndices estrangeiros da companhia como a Sonangol Limited, a Sonangol USA e a Sonangol Ásia, da subsidiária do ramo do gás, Sonagas, da Refinaria de Luanda e do Projecto SONAREF de construção da Refinaria do Lobito.


Mateus de Brito responsabiliza-se pela Direcção Central de Compras (DCL), Gabinete de Qualidade, Saúde, Segurança e Ambiente (GOSSA), Gabinete de Comunicação e Imagem (GCI), Projecto LNG, de aproveitamento de gás, Sonangol Pesquisa e Produção e Sonangol Pesquisa e Produção Internacional.


O administrador Francisco Maria tem sob os seus domínios as direcções de Planeamento, Finanças, assim como Auditoria e Controlo Interno, encarregando-se também pelo apêndice de telecomunicações, a MSTelcom, a subsidiária de transportes aéreos, Sonair, e a Sonip.


Os domínios de Baptista Sumbe (na foto com o PCA) englobam as direcções de Tecnologias de Informação (DTI), de Administração e Apoio (DAA) e Manutenção e Infra-estruturas (DMI), enquadrando, ainda, o braço de navegação marítima da companhia, Sonangol Shipping, a Sonangol Holdings e a ZEE (Zona Económica Exclusiva).


Gaspar Martins encarrega-se das direcções de Produção (DEPRO), Exploração (DEX), Economia de Concessões (DEC), Negociações (DNEG) e Gestão de Riscos (DGR), como do Comité de Controlo de Concessões (CCC), Gabinete de Arquivo e Base de Dados (GAD) e do Laboratório Central da companhia.


Esta acomodação de administradores por áreas de responsabilidade vigora desde 31 de Maio último, quando foi ordenada pelo PCA da Sonangol por meio de um despacho interno, sob o número 034/GPCA/2010.


Este ano, o Conselho de Administração da Sonangol EP passou a ser composto por um total de dez integrantes, depois de uma decisão que reforça a sua composição. Actualmente, sete administradores são executivos e três são não-executivos.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: