É com indescritível alegria que tenho o prazer de revê-los, a todos, depois do frenesim da Campanha Eleitoral à qual participamos com determinação, sem medir os sacrifícios, quer materiais, quer corporais e até morais, com o único objectivo de dignificarmos a imagem do nosso Partido.

Não sou capaz de medir a amplitude e a pujança das acções protagonizadas por cada um de nós e muito especialmente pela nossa Juventude que se desdobrou com ardor, das mamãs da AMA que agüentaram sem dormir nas Assembléias de Voto, lá onde foi possível estar, dos nossos valorosos Antigos Combatentes que acostumados a sacrifícios, não desdenharam o momento e envolveram-se com acutilância, mas só me é possível dizer que se Deus quisesse, teríamos chegado à meta com um galardão que nos garantiria sermos parte das decisões que serão tomadas na futura Assembléia Nacional para estabilizar politicamente o nosso País, assegurando assim a Reconstrução e o Desenvolvimento sócio-económico de Angola, de Cabinda ao Cunene.

Penso que tudo isso já faz, um pouco, parte de um passado ainda muito próximo mas o que importa agora é a nossa predisposição de continuarmos a cuidar, através da luta democrática e nos devidos espaços, daquilo que ajudamos a construir: um País independente, cujo Povo deve ser dignificado e respeitado nos seus direitos fundamentais e inalienáveis.

É evidente que durante a viagem duma locomotiva, incumbe ao maquinista de manter uma velocidade e uma condução que acautelem um eventual descarrilamento. O que nós teríamos apreciado, é o tal maquinista não conduzir a seu bel prazer mas de ter a assistência e as críticas de outrem que conheça o ofício, porque ninguém tem o monopólio do saber.

A todos, a começar pelos digníssimos Membros da Comissão Política Permanente, passando pelos jovens motoristas, motoqueiros, delegados de lista, às nossas Mulheres e aos nossos Antigos Combatentes, parabéns por terdes conseguido fazer aquilo que a muitos parecia ser um agradável sonho. Sim, minhas irmãs e meus irmãos, o sonho transformou-se em realidade.

Só peço a todos que não abrandeis a força com que funcionastes nestes últimos dias. É necessário retemperar as nossas energias, porque existem tarefas  que só a nós compete executá-las. Mas para tal, impõe-se que revisionemos o filme dos acontecimentos eleitorais desde o processo de Registo Eleitoral à divulgaçã9o dos resultados e tiremos todos as lições que nos ajudem a sermos mais presentes, mais empenhados e sobretudo mais determinados.

Numa só palavra, é preciso que nasça uma outra dinâmica que impulsione a redinamização do processo de reimplantação do Partido em todo o território nacional, envolvendo sobretudo os jovens e as mulheres, forças vivas e promissoras do País.

Inspiremo-nos dos belos exemplos de sacrifício e de abnegação dos nossos Maiores, que após a desfeita se recompunham para se erguer de novo e recomeçar uma batalha que para muitos deles só terminava com a morte. Para nós, o essencial é que não nos distraiamos nem nos desanimemos enquanto o Homem Angolano não for dignificado. Quando isso acontecer, esse será o término da nossa luta, o nosso maior galardão porque, enfim, teremos a LIBERDADE E TERRA e UMA ANGOLA PARA TODOS E TODOS POR UMA ANGOLA.

YEMBE OYÉ !
ANGOLA OYÉ !

Muito obrigado

Fonte: Club-k.net



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: