Luanda - De 14 anos de idade, Londa Sabino lançou o seu primeiro disco a 2 de Maio, no Largo da Independência. Intitulado, Preto Rosa Choque, com oito faixas e uma tiragem de cinco mil cópias, o disco foi gravado em Angola e em França, com a produção da Bué de Bits, do cantor e produtor Heavy C.

Apesar de não o conhecer pessoalmente e decidida a gravar a sua primeira obra discográfica, Londa, decide o contacto com um dos melhores produtores do mercado nacional, com quem manteve longas trocas de mensagens pela Internet, até finalmente lhe ter sido proposto um teste de voz.

A mais nova integrante da Bué de Bits, a mascote, como é carinhosamente chamada pelos colegas da produtora, confessa que teve alguma dificuldade em definir o seu estilo de música. “Ao princípio cantava vários estilos, não conseguia decidir qual o que mais me caracterizava”, recorda Londa Sabino.

Aos, dez anos de idade, escreveu a sua primeira letra, que apesar de não a ter gravado, partilhou-a com familiares e amigos próximos.

Estudante do colégio das irmãs católicas de São José de Cologne, desde cedo mostrou o gosto pela música e foi na adolescência que uma colega, a Jacira, a incentivou a entrar em estúdio e a gravar a primeira obra discográfica

A paixão pela música não a impede de ser uma excelente aluna de Física. Londa pretende formar-se em engenharia de petróleo, “estou consciente que nesta altura terei que dar uma pausa a música e dedicar-me somente a minha formação”.

Amante do mar, Londa considera-se boa nadadora, ela que esteve durante três anos como aluna de natação numa das mais conceituadas escolas de Luanda

A mascote já viveu em vários bairros de Luanda. Nasceu na Vila Alice ao Rangel e ainda criança teve que mudar-se para a casa da mãe no Bairro do Saneamento. Pouco tempo depois voltou para a Vila Alice e posteriormente viveu um ano na África do Sul, onde se apaixonou pelo hip-hop.

Seguiu-se um périplo pelos bairros de Luanda que começou no José Pirão, daí para a Maianga na rua ex-António Barroso e finalmente para o Alvalade, onde hoje vive em companhia do pai. Os B-20 e as Dance Girls, são os animadores, que a acompanham em todos os espectáculos que participa. Conheça melhor a “pequena, grande, cantora”.


Como define a Londa?

Sou uma pessoa divertida, extrovertida, conselheira e acima de tudo amiga dos seus amigos. Apesar de as vezes ser um pouco chatinha (risos).


Como e quando começou o seu gosto pela música?

Desde pequena que sempre gostei de ouvir música. No ano passado decidi gravar o meu primeiro disco e correr atrás de um bom produtor.


Desde pequena sempre gostou de hip-hop?

Sim, sempre gostei de hip-hop, acho que me caracterizo nele.


Qual foi a primeira música que escreveu?

Já não me lembro. Faz muito tempo. Mas sei que era hip hop. Na altura nem me passava pela ideia gravar um disco.


Para além das oito faixas que fazem parte do seu álbum tens outras na “gaveta”?

Gravadas não, mas escritas tenho algumas mais que ainda não pude gravar.


E agora já parou de escrever?

Não. Continuo a fazer letras para novas músicas e desta vez com mais experiência. Tenho mais oito letras de músicas escritas e por gravar.


Quem a incentivou a gravar?

Foi uma amiga, a Jacira. Eu já escrevia mas nunca havia pensado em gravar um disco, não nessa altura devido principalmente às aulas. Estudo na escola católica das irmãs de São José de Cologne.


Como é que o seu pai encarou a ideia de gravar um disco?

Quando partilhei com ele a ideia de gravar um disco, ele não conteve os risos. Foi essa a primeira reacção. Mas claro que depois disso apoiou-me e disse: “Ok, se tu queres mesmo gravar procura um produtor e vamos ver…”.


Como foi o primeiro contacto com o Heavy C?

(Risos), foi pela Internet, no Hi5. Apesar de já ter ouvido falar dele e saber que era um bom produtor, nunca havia tido nenhum contacto antes com ele. Fomos trocando mensagens durante algum tempo até que ele me deu o seu número de telefone.

Quem escreveu as letras?

Foram os elementos da Bué de Bits. Quando lá cheguei, mostrei o meu caderno de música e eles riram. Afinal de contas eu ainda era muito inexperiente, e misturava tudo hip-hop com kizomba. Até hoje rimos sempre que nos lembramos daquele momento. Fiz um teste de voz e ritmo musical e ele definiu que o meu estilo era o hip-hop.


Em que estúdio foi gravado?

Começámos a gravar o disco no estúdio Kriativa, do Beto Max e acabamos em França.


Quanto tempo durou a gravação?

Pouco mais de seis meses.

Quantas cópias foram feitas?

Fizemos cinco mil cópias.


Quais foram os músicos convidados a participar?

Tive a participação de vários músicos como a Ary, Pérola, Heavy C, Sarissari, Lawilca e da Karolina e Docinho.


Qual foi o melhor momento durante a gravação?

Um dos melhores momentos foi a gravação de uma música escrita pela Ary e pelo Heavy C, em que tive que decorar e gravar tudo em pouco mais de 15 minutos. E neste dia tivemos ainda que fazer a sessão de fotos e apanhamos cerca de cinco comboios. Isso sucedeu em França.


Para quando o show de lançamento do disco?

Ainda não tenho uma data.


Fará a venda e sessão de autógrafos noutras províncias?

Sim. Em especial no Soyo que é a província do meu pai.


Já tem gravado o vídeo clip?

Estamos a trabalhar para isso, e brevemente estará nas ruas. Será a faixa número 4, “Te quero”, que canto com a Ary e o Sarissari.


Qual foi o concerto que mais a marcou?

Foi o show do Anselmo Ralph e Heavy C. Foi a minha estreia em palco. Tive a sorte de ter sido ao lado de dois cantores que admiro muito.


O grupo de dança B-20, acompanha-a sempre?

Sim. São os meus bailarinos oficiais. Conheci-os num show no festival do colégio Gregório Semedo. Vi-os a actuar, gostei do estilo deles e convidei-os para dançarem nos meus shows.


Eleja um cantor em Angola?

Heavy C. Para além de produtor é um óptimo músico.


Cantora?

A Marita Venus e a Pérola. Adoro a forma delas de cantar.


Que cantores internacionais mais a inspiram?

A Ciara e a Missy Elliott.


Tem conseguido conciliar os estudos com a carreira?

A princípio foi difícil. Na fase das gravações tive complicações. Felizmente fui a tempo de superar. Hoje sei conciliar as duas coisas.

Bilhete de Identidade

 

  • Nome completo: Londa da Conceição Luanda Sabino
  • Naturalidade: Luanda
  • Filiação: Alberto Sabino e Celsa Sabino
  • Data de nascimento: 26 de Fevereiro de 1995
  • Prato preferido: Mufete
  • Desporto: preferido Natação
  • Vício: Internet
*Waldney Oliveira
Fonte: O Pais


DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: