Lisboa – A Procuradoria Geral da República está a ser acusada  de abafar o processo contra o chefe de brigada do SIC, Inocêncio Felizardo dos Santos, mais conhecido por “Papá Enoque”, por ter executado um suposto meliante José Gaspar tpc Zé, em hasta pública no Benfica, arredores do antigo mercado do artesanato. A acusação parte de familiares da vitima. 

* Paulo Alves
Fonte: Club-k.net

Alegado assassino  foi promovido para novo cargo em Catete

A execução aconteceu no dia 1 de Junho de 2018. Foi filmada por uma cidadã que divulgou o vídeo nas redes, dificultando a Polícia Nacional de apresentar uma versão adulterada, em favor de “Papá Enoque”.


Inicialmente foi aberto um processo crime para se apurar verdade e as devidas responsabilidades criminais. Passado dois anos, o processo foi abafado, e logo a seguir “Papá Enoque” foi colocado no município do Catete, como chefe da investigação do SIC.


O semanário “O CRIME”, escreveu na altura que , Inocêncio Felizardo dos Santos “Papá Enoque” assassinou José Gaspar , com vários tiros, um dos quais em direcção à cabeça, tudo para não desvendar os 14 milhões de kwanzas recuperados por aqueles agentes e que simplesmente não foi apresentado a corporação.


Papá Enoque foi descrito pela referida publicação como braço direito de Fernando Manuel Bambi Recheado, actual director do SIC Luanda. A data do assassinato cometida era apresentado como membro do famoso esquadrão da morte do SIC. Segundo informações, o mesmo é visto pelos colegas como um agente destemido quando em causa estiverem execuções sumárias contra o povo.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: